segunda-feira, 30 de setembro de 2013

CONTRAPARTIDA DA MEIA ENTRADA

Toda vez que um artista vai em busca de patrocínio, financiamento, etc, no projeto ele precisa oferecer uma contrapartida social entre outras. Difícil precisar quantos artistas de várias áreas atuam profissionalmente no Brasil, mas acredito não estar longe da verdade ao pensar que cerca de 90% produzem arte com recursos próprios, sem prêmios, incentivos, patrocínios e financiamentos – públicos ou privados.

Com essa moda de os políticos oferecerem "meia entrada" (não seria essa já uma outra modalidade de contrapartida social?) a torto e a direito, fazendo leis dispondo livremente do nosso trabalho, fazendo campanha e cumprimentando demagogicamente a população com o nosso chapéu  somos, LEGALMENTE OBRIGADOS a abrir mão da nossa remuneração. Sim, a maioria esmagadora da população não sabe que quando um estudante ou idoso paga meia está saindo do bolso do artista! que ainda assim paga TUDO em sua vida integralmente. Não apenas se paga tudo integralmente como também os profissionais que trabalham nas produções PRECISAM RECEBER e as diárias de ocupação dos teatros (públicos ou privados) são cada vez mais altas.

De outro lado, quando vamos assistir um filme, uma peça, comprar um livro, pagamos o ingresso integral, a livraria cobra o valor total do livro e por aí vai.
Em solidariedade, ALGUMAS produções oferecem 50% de desconto no ingresso ao colega profissional de artes cênicas, mas não são todas.

Pergunto-me por que não incluir nessas leis antes citadas também o desconto obrigatório ao artista? Em cada bilheteria, Brasil afora, a que chego sempre pergunto se há desconto para artista. A maioria não só nega como faz cara feia.
Ora, mas se justamente NÓS artistas somos os maiores prejudicados nessa politicagem toda, por que não fazer com que, compulsoriamente, toda bilheteria dê 50% de desconto ao artista devidamente registrado e com documento (com foto) comprobatório em mãos? Toda livraria dê 50% de desconto a artistas? E aí podemos sonhar e lutar por 50% de desconto em farmácias, médicos, hospitais (eu já conto com a boa vontade de contador e de um médico que recebem quando eu recebo cachês que demoram até um ano pra serem pagos), supermercados, energia elétrica, água, gás – por que não? Seria também forma de incentivar a profissionalização dos artistas, não?

Seria ótimo começar a reaver parte dessa baderna que virou a ‘contrapartida’ no Brasil. Se eu dou metade do meu ingresso de graça, poderia ganhar descontos proporcionais em serviços públicos, que tal?


Idéias pra fazer pensar.

sábado, 31 de agosto de 2013

Carta à "ministra'' da cultura.

Carta da escritora Maria Rita Kehl para aquela pessoa que está à frente do Ministério da Cultura.

Prezada Ministra Marta, como vai?
Escrevo para lhe dizer que concordo com a sua afirmação: moda é cultura. Alta culinária também. No entanto, eu não penso que sejam estas as expressões culturais que precisam dos incentivos do MinC. 
O argumento de que desfiles sofisticados "melhoram a imagem do brasil no exterior", a meu ver, é inconveniente. Esta era uma preocupação dos governos militares: enquanto havia tortura aqui dentro, eles se preocupavam com a imagem do Brasil lá fora. Ora, só o fim da ditadura poderia melhorar nossa imagem frente aos países democráticos.
Hoje, em plena democracia, a tortura só é praticada nas delegacias da periferia, contra negros e pobres cujas famílias são intimidadas para que as denúncias não cheguem nem à sociedade local, quanto menos à comunidade internacional. Então, oficialmente, vivemos em plena democracia. Mas o que é que "mancha" a imagem do Brasil no exterior? Não é a falta de alta costura/alta cultura. É a permanência da desigualdade, que nem os programas sociais dos governos petistas conseguem debelar de fato, embora tenham sim diminuído significativamente a miséria que excluía milhões de brasileiros dos padrões mínimos de consumo.
A desigualdade que persiste no Brasil já não é a que impede o povo brasileiro de se alimentar. É a que impede o acesso das classes baixas aos meios de produção. Pescadores perdem as condições de pescar - e com isso, sua cultura tradicional - expulsos de suas comunidades para se tornarem, na melhor das hipóteses, trabalhadores braçais não qualificados. Lavradores, quilombolas e grupos indígenas perdem suas terras - e com isso, as condições de manter suas práticas culturais - expulsos pela ganância do agronegócio.
Os Pontos de Cultura criados na gestão Gilberto Gil estão abandonados em muitas regiões do país. Músicos e poetas das periferias das grandes cidades não conseguem recursos para mostrar sua arte para o resto do país. Pequenos grupos de teatro, que sobrevivem graças à Lei do Fomento criada na sua gestão na Prefeitura de São Paulo, dificilmente conseguem levar sua produção cultural para outros Estados, muito menos para outros países.
Não prossigo indefinidamente com exemplos que sei que são de seu conhecimento. Termino com uma afirmação que me parece até banal: em um país tão desigual quanto o nosso, fundos públicos só deveriam ser utilizados para possibilitar o crescimento de quem não tem acesso ao dinheiro privado.
Tão simples assim. Por isso estou certa de que, a cada vez que o MinC, o MEC, o Ministério da Saúde e quaisquer outros agirem na direção oposta à da diminuição da desigualdade, a sociedade brasileira vai se indignar. As expressões dessa justa indignação é que hão de "manchar a imagem do Brasil no exterior".
Respeitosamente,
Maria Rita Kehl.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

MANIFESTO A FAVOR DA CONTINUIDADE DO PROJETO USINA DAS ARTES

"Aos amigos, parceiros e simpatizantes da Usina do Gasômetro.
Nós, artistas de grupo e trabalho continuado em artes cênicas de Porto Alegre, integrantes do Projeto Usina das Artes, que encontram na Usina do Gasômetro seu principal palco e espaço de produção, estamos em sério risco de perder nosso território cultural. Quando falamos nosso, é no sentido de bem comum e não particular nem denominado, pois é parte da comunidade cultural da cidade cada uma das 7 salas de teatro e dança do referido centro cultural.

A Secretaria Municipal de Cultura não realizará novo edital de ocupação, este ano, interrompendo o processo e tem como objetivo retirar 3 salas do projeto para outras atividades. Essas duas ações impedem a continuidade de um projeto amplo que dá condições de trabalho para dezenas de grupos e centenas de profissionais. 
Momento de lembrar também que já outras duas ações foram extintas, o Projeto Usina da Educação que oferecia educação informal para crianças e adolescentes e o Usina na Praça, que levava todo domingo uma grande diversidade de atrações gratuitas a comunidade no estacionamento da Usina.
A Usina do Gasômetro, símbolo de Porto Alegre, abriga grande número de grupos teatrais, de dança, circo, música e o que mais se manifestar positivamente nas artes. Neste espaço acontecem oficinas populares e uma gama diversificada de manifestações polifônicas e multifacetadas.
Participaram dos projetos vinculados à direção da Usina do Gasômetro 82 Companhias de Artes (teatro, dança, circo, música, mágica, bonecos, cultura italiana, capoeira, melhor idade, consciência ambiental). 
O público estimado para todo este período, 2005 a 2012 supera 3 milhões de pessoas. Os dois maiores públicos dentre todas as Exposições realizadas em Porto Alegre nos últimos 10 anos foram na Usina do Gasômetro: 387 mil pessoas na Bienal de 2005; 362 mil pessoas na exposição No Ar - 50 anos (2007).
Trabalham atualmente na Usina do Gasômetro 35 grupos de arte: Ânima Cia de Dança; Eduardo Severino Cia de Dança; Levanta Favela, Santa Estação Cia de Teatro; Grupo Jogo; Cia Cuidado que Mancha; Komica Cultural; Grupo dos Cinco; NEELIC; Depósito de Teatro; Cia Teatrofídico; Teatro Sarcáustico; Tony Marques Cia de Dança; Magiarte; Mimese Cia de Dança; Grupo de Risco; Grupo Enfim; Dança Coisa; Grupo Corpo em Cena; Grupo Processos; Coletivo 3 em 1; Palhaços Sem Lona; Electra [Zero]; Grupo Sereias; Caracol Danças e Cenas; Grupo Artéria; TIA – Teatro, Idéia e Ação (Canoas); Grupo Teatral Leva Eu (Viamão); Amigos da Arte; Associação Itália-Porto Alegre; Banda Perturbadores; Cataventos; Sahaja Yoga, Acapoeira. Nas últimas duas edições dos Prêmios Açorianos de Dança e Teatro e do Porto Alegre Em Cena, praticamente todos os contemplados faziam parte do projeto Usina das Artes.

Para que mais de uma centena de artistas não deixe seus espaços de criação e possam continuar levando arte e cultura para a comunidade porto alegrense, estamos fazendo este manifesto A FAVOR DA CONTINUIDADE DO PROJETO USINA DAS ARTES.

ASSINADO
GRUPOS DO PROJETO USINA DAS ARTES

CIA TEATROFÍDICO
EDUARDO SEVERINO CIA DE DANÇA
ÂNIMA CIA DE DANÇA
LEVANTA FAVELA
SANTA ESTAÇÃO CIA DE TEATRO
GRUPOJOGO
KOMICA CULTURAL
GRUPO DOS CINCO
DEPÓSITO DE TEATRO
TEATRO SARCÁUSTICO
CIA CUIDADO QUE MANCHA"

domingo, 15 de julho de 2012

Manifesto sobre a vida do artista [Marina Abramovic]

1. a conduta de vida do artista:
- o artista nunca deve mentir a si próprio ou aos outros
- o artista não deve roubar idéias de outros artistas
- os artistas não devem comprometer seu próprio nome ou comprometer-se com o mercado de arte
- o artista não deve matar outros seres humanos
- os artistas não devem se transformar em ídolos
- os artistas não devem se transformar em ídolos
- os artistas não devem se transformar em ídolos

2. a relação entre o artista e sua vida amorosa:
- o artista deve evitar se apaixonar por outro artista
- o artista deve evitar se apaixonar por outro artista
- o artista deve evitar se apaixonar por outro artista

3. a relação entre o artista e o erotismo:
- o artista deve ter uma visão erótica do mundo
- o artista deve ter erotismo
- o artista deve ter erotismo
- o artista deve ter erotismo

4. a relação entre o artista e o sofrimento:
- o artista deve sofrer
- o sofrimento cria as melhores obras
- o sofrimento traz transformação
- o sofrimento leva o artista a transcender seu espírito
- o sofrimento leva o artista a transcender seu espírito
- o sofrimento leva o artista a transcender seu espírito

5. a relação entre o artista e a depressão:
- o artista nunca deve estar deprimido
- a depressão é uma doença e deve ser curada
- a depressão não é produtiva para os artistas
- a depressão não é produtiva para os artistas
- a depressão não é produtiva para os artistas

6. a relação entre o artista e o suicídio:
- o suicídio é um crime contra a vida
- o artista não deve cometer suicídio
- o artista não deve cometer suicídio
- o artista não deve cometer suicídio

7. a relação entre o artista e a inspiração:
- os artistas devem procurar a inspiração no seu âmago
- Quanto mais se aprofundarem em seu âmago, mais universais serão
- o artista é um universo
- o artista é um universo
- o artista é um universo

8. a relação entre o artista e o autocontrole:
- o artista não deve ter autocontrole em sua vida
- o artista deve ter autocontrole total com relação à sua obra
- o artista não deve ter autocontrole em sua vida
- o artista deve ter autocontrole total com relação à sua obra

9. a relação entre o artista e a transparência:
- o artista deve doar e receber ao mesmo tempo
- transparência significa receptividade
- transparência significa doar
- transparência significa receber
- transparência significa receptividade
- transparência significa doar
- transparência significa receber
- transparência significa receptividade
- transparência significa doar
- transparência significa receber

10. a relação entre o artista e os símbolos:
- o artista cria seus próprios símbolos
- os símbolos são a língua do artista
- e a língua tem que ser traduzida
- Às vezes, é difícil encontrar a chave
- Às vezes, é difícil encontrar a chave
- Às vezes, é difícil encontrar a chave

11. a relação entre o artista e o silêncio:
- o artista deve compreender o silêncio
- o artista deve criar um espaço para que o silêncio adentre sua obra
- o silêncio é como uma ilha no meio de um oceano turbulento
- o silêncio é como uma ilha no meio de um oceano turbulento
- o silêncio é como uma ilha no meio de um oceano turbulento

12. a relação entre o artista e a solidão:
- o artista deve reservar para si longos períodos de solidão
- a solidão é extremamente importante
- Longe de casa
- Longe do ateliê
- Longe da família
- Longe dos amigos
- o artista deve passar longos períodos de tempo perto de cachoeiras
- o artista deve passar longos períodos de tempo perto de vulcões em erupção
- o artista deve passar longos períodos de tempo olhando as corredeiras dos rios
- o artista deve passar longos períodos de tempo contemplando a linha do horizonte onde o oceano e o céu se encontram
- o artista deve passar longos períodos de tempo admirando as estrelas
no céu da noite

13. a conduta do artista com relação ao trabalho:
- o artista deve evitar ir para seu ateliê todos os dias
- o artista não deve considerar seu horário de trabalho como o de funcionário de um banco
- o artista deve explorar a vida, e trabalhar apenas quando uma idéia se revela no sonho, ou durante o dia, como uma visão que irrompe como uma surpresa
- o artista não deve se repetir
- o artista não deve produzir em demasia
- o artista deve evitar poluir sua própria arte
- o artista deve evitar poluir sua própria arte
- o artista deve evitar poluir sua própria arte

14. as posses do artista:
- os monges budistas entendem que o ideal na vida é possuir nove objetos:
1 roupão para o verão
1 roupão para o inverno
1 par de sapatos
1 pequena tigela para pedir alimentos
1 tela de proteção contra insetos
1 livro de orações
1 guarda-chuva
1 colchonete para dormir
1 par de óculos se necessário
- o artista deve tomar sua própria decisão sobre os objetos pessoais que deve ter
- o artista deve, cada vez mais, ter menos
- o artista deve, cada vez mais, ter menos
- o artista deve, cada vez mais, ter menos

15. a lista de amigos do artista:
- o artista deve ter amigos que elevem seu estado de espírito
- o artista deve ter amigos que elevem seu estado de espírito
- o artista deve ter amigos que elevem seu estado de espírito

16. os inimigos do artista:
- os inimigos são muito importantes
- o Dalai Lama afirmou que é fácil ter compaixão pelos amigos; porém, muito mais difícil é ter compaixão pelos inimigos
- o artista deve aprender a perdoar
- o artista deve aprender a perdoar
- o artista deve aprender a perdoar

17. a morte e seus diferentes contextos:
- o artista deve ter consciência de sua mortalidade
- Para o artista, como viver é tão importante quanto como morrer
- o artista deve encontrar nos símbolos da sua obra os sinais dos diferentes contextos da morte
- o artista deve morrer conscientemente e sem medo
- o artista deve morrer conscientemente e sem medo
- o artista deve morrer conscientemente e sem medo

18. o funeral e seus diferentes contextos:
- o artista deve deixar instruções para seu próprio funeral, para que tudo seja feito segundo sua vontade
- o funeral é a última obra de arte do artista antes de sua partida
- o funeral é a última obra de arte do artista antes de sua partida
- o funeral é a última obra de arte do artista antes de sua partida

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Publicidade

Sempre interessa aos atores e demais artistas e técnicos envolvidos. Já tá no ar o Manual do III Forum de Produção Publicitária que regulariza relações de trabalho na área.

Contratos, valores, etc, tem pra baixar aqui.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Seguro-desemprego para artistas: demorou!

Finalmente aprovado o seguro-desemprego para artistas e técnicos. Como todo benefício, tem critérios pra que se possa usá-lo. Mais um motivo para profissionalização e contribuição à previdência.

Aliás, importante lembrar que realmente precisamos pensar em futuro, aposentadoria - que artista realmente se aposenta, me perguntarão. Não é esta a questão, claro.

Quem precisa da arte como precisa de ar na maioria das vezes esquece que precisa, em nossa sociedade, de dinheiro pra viver quando o corpo não ajudar mais  a conseguir trabalho.

Carteira de Trabalho é o único documento civil que não custa um único centavo pra ser feito. Sequer se gasta com foto. Depois disso se pode contribuir com valores mínimos mensais, como todo trabalhador.

Na hora em que faltar trabalho ou que estiver envelhecendo e precisando de grana, pense em como terá valido a pena ter direito a um benefício da previdência - por pior que ela seja...

Há também opções de previdência privada, procure em alguns bancos confiáveis e se informe. Quanto antes começar, melhor!

Escolhi o Banco do Brasil por acreditar que ele será o último a falir no país. ;)

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Da série - você é respeitado?

Texto bem bacana, que diz quase tudo que muita gente precisa ver/ouvir/ler.

Trechinho:
"Pouco importa se você trabalha que nem um camelo e pouco importa quantos cursos você fez ou quantos prêmios ganhou. No final das contas (com bastante trocadilho), essa é a maneira como somos vistos pelo mundo. O curioso é que essa é mais uma unanimidade burra que o homem médio criou para, logo em seguida, cair numa contradição: não, ele não valoriza mesmo a arte — e tampouco está disposto a pagar por ela —, mas ele aprecia a arte. Deu para entender? Funciona assim: basta achar um cretino que faça uma arte de graça e convencê-lo a trabalhar em troca de “divulgação”.

Se quiser copiar pro seu navegador:
http://blogs.estadao.com.br/tragico-e-comico/2011/07/17/artista-e-tudo-vagabundo-e-trabalha-de-graca/